Freelancer Portugal

Freelancers existem em todo o mundo. Eles são profissionais autônomos que trabalham de qualquer lugar e fazem trabalhos esporádicos, mas será que vale a pena trabalhar com freelancer em Portugal?

Essa modalidade de trabalho, muito comum entre jovens empreendedores, diversifica oportunidades e oferece experiências profissionais.

Se você deseja trabalhar como freelancer em Portugal, veja como funciona essa modalidade de trabalho e quais são as obrigações fiscais na terrinha!

Vale a pena trabalhar como freelancer em Portugal?



Freelancer não tem chefe. Por isso, esse profissional escolhe quando e como trabalha. Ele não possui vínculo de trabalho com uma empresa, mas, como ponto negativo, não tem rendimento fixo e deve fazer sua própria contabilidade.

Quem deseja trabalhar como freelancer em Portugal deve, primeiramente, estar vivendo legalmente no país e ter um NIF Portugal (Número de Identidade Fiscal), que equivale ao CPF brasileiro. Ele permite que você faça declaração de rendimentos. É fundamental, ainda, ter o NISS (Número de Identificação de Segurança Social), que é como o registro no INSS do Brasil.

O visto que permite trabalhar como freelancer em Portugal é o para imigrantes empreendedores (Visto D2 Portugal). Para obtê-lo, podem ser exigidos certificados e diplomas que comprovem sua qualificação para exercer a profissão. Fale com a Horizon Portugal para saber mais sobre como obter o visto português.

Tipos de freelancer mais comuns em Portugal



Algumas áreas recebem mais freelancers em Portugal. São elas:

• Designers;
• Jornalistas;
• Publicitários e profissionais de Marketing;
• Programadores e desenvolvedores de sites;
• Produtores de conteúdo audiovisual e fotógrafos;
• Tradutores;
• Revisores;
• Consultores de negócios;
• Personal trainers;
• Fisioterapeutas;
• Esteticistas que atendem nas casas dos clientes;
• Professor que dê aulas particulares.


Independentemente do seu ramo de atuação, se você acha que consegue trabalhar como freelancer em Portugal, vale a pena conhecer mais a fundo as regras e obrigações.

Ler mais notícias